Uma aula de consistência, resistência, resiliência e realização de sonhos, com Tim Ferriss

Você tem um sonho? Quer “chegar a algum lugar”? 

Talvez seu sonho seja escrever um livro, ter uma empresa, emagrecer 20kg, ter um blog ou canal de sucesso, falar outro idioma… na verdade, tanto faz. É quase certo que o seu sonho é algo que pode ser CONSTRUÍDO (a não ser que seu sonho de vida seja ganhar na mega-sena. Neste caso, tenho más notícias pra você). 

Eu falo muito em hábitos, em paciência, em “babysteps”… e vou seguir falando por muito tempo, por acreditar que um bom hábito é realmente a ferramenta que faz toda a diferença. 

Mas hoje, eu resolvi fazer diferente, e ensinar pelo exemplo. Não o meu exemplo, infelizmente, mas ainda assim, um ótimo exemplo. 

Senhoras e senhores, com vocês, Tim Ferriss: 

Tim é um cara único. Além de se auto-intitular “cobaia de laboratório humano”, ele é autor de cinco bestsellers (sendo que seu primeiro livro, “The 4-hour workweek” passou sete anos consecutivos entre os mais vendidos do New York Times), investidor anjo e conselheiro (de empresas como Facebook, Twitter e Evernote). Um currículo bem legal. 

Mas o mais impressionante nele, para mim, é a sua capacidade de EXECUÇÃO. E esta capacidade (segundo ele próprio) é 100% pautada em hábitos

Hoje, eu percebi o valor destes hábitos, e o quão longe um bom hábito pode te levar. 

Em 2014, Tim teve a ideia de começar um podcast. Um talk-show, onde ele poderia ter o pretexto ideal para entrevistar todo o tipo de gente que ele mais admira. Campeões mundiais, recordistas, investidores, empresários, atores, músicos… os melhores entre os melhores, estão lá. 

No programa, ele entrevista seus convidados de forma a tentar mapear o caminho das ferramentas, truques e táticas usados por eles para chegar aonde chegaram. 

Imagina você, criando um programa no qual a sua meta é entrevistar pessoas como Arnold Schwarzenegger, David Blaine, Vince Vaughn, Ricardo Semler, Derek Sivers, Jamie Foxx. Longe de parecer uma empreitada fácil?

Pois bem. Tim Ferriss fez isso. E transformou a ideia no Podcast mais ouvido de todos os tempos. 

Hoje, ao abrir o site do iTunes pra baixar o episódio desta semana, eu me espantei com o número. O episódio atual é o número 254!! 

(Estou escrevendo este post em Julho de 2017. Se você está lendo isso no futuro, sugiro que clique no link: https://itunes.apple.com/br/podcast/the-tim-ferriss-show/id863897795 - pra se espantar ainda mais, e refazer meus cálculos). 

 

Presta atenção: 

  • Tim começou o podcast no dia 18/04/2014
  • Hoje é dia 24/07/2017
  • Nestes (pouco mais de) 3 anos, ele lançou CONSISTENTEMENTE 254 episódios!
  • Eu parei pra fazer as contas: são 170 semanas
  • Ele lançou (na média) 1,5 episódios por semana - incluindo semanas de férias, natal, feriados e tudo o mais. 
  • Como se não bastasse, ele lançou um livro neste meio tempo (Tools of Titans)

O nome disso é CONSISTÊNCIA.

E isso é o que faz toda a diferença. 

Quer botar em prática? Então comece HOJE, e simplesmente NÃO PARE. É mais difícil do que parece, mas é possível. 

E eu vou tentar fazer o mesmo. 

 

Como "destravar" sua força de vontade

Nada como uma boa confissão, pra tentar livrar-se do peso de algo ruim guardado dentro de si. 

Eu cresci numa família católica. E uma das bases, aparentemente, de muitas vertentes do cristianismo é a confissão para remissão dos pecados. Pra quem não conhece o ritual do confiteor ("eu confesso", em latim), eu explico: 

Basicamente, trata-se de um momento de oração reflexiva. Ao invés de somente repetir uma reza tradicional, decorada, a igreja incute o fiel a meditar sobre seus próprios erros e falhas e, ao final disso, aí sim, repetir um texto tradicional que, em resumo, traz a culpa dos seus pecados para si mesmo. A expressão usada em latim, aliás, saiu da religião e hoje é usada pra várias coisas, e você já deve ter ouvido em algum lugar: "mea culpa". 

Não, não quer dizer MEIA culpa, como muitos usam por aí. "Fazer um mea culpa" é justamente admitir a culpa INTEIRA.

Aliás, na oração original, em latim, os fiéis batiam três vezes no peito, repetindo: 

mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa
(minha culpa, minha culpa, culpa toda minha) 

 

Segundo o cristianismo, somente o arrependimento pode trazer a evolução do espírito e a aproximação com a divindade. E para se arrepender, você precisa admitir que a culpa é sua, não é? 

Religião à parte, e por mais estranho que possa parecer àqueles que não seguem nenhuma religião (ou seguem outra diferente do catolicismo), essa prática do mea culpa pode te ajudar muito. E não se trata de nada religioso ou espiritual.

Trata-se de lógica, auto-conhecimento e, sobretudo, uma mudança positiva no modo de enfrentar o dia-a-dia. 

Pense comigo, fazendo um mea culpa: neste momento, na sua vida, dentro de tudo que te acontece, o que você tem, o que você sabe e tudo mais, o que NÃO é culpa inteiramente sua? 

Se a resposta for "nada é culpa minha", talvez você precise re-pensar. 

 
O homem superior atribui a culpa a si mesmo. O homem comum atribui aos outros. 
(Confúcio)

 

Hoje cedo, enquanto escrevia meu 'diário de 5 minutos', esta reflexão bateu forte. Eu pensava justamente sobre meus projetos, minhas falhas. 

Eu já admiti publicamente, no meu primeiro vídeo. Eu sou um procrastinador. Mea maxima culpa. 

O que me faz vencer isso, todos os dias, é simplesmente adotar alguns métodos, tentar driblar a mim mesmo e ao meu "piloto automático procrastinador", e simplesmente fazer as coisas. E mesmo assim, frequentemente eu acabo com algumas tarefas entulhadas, acumuladas. 

E por mais que seja gostoso e reconfortante jogar a culpa nos outros, pelo meu acúmulo de tarefas, a culpa é toda minha. 

Acumulo gera pendência, e pendência gera travamento. E o primeiro passo para seguir em frente é se livrar das pendências, que funcionam como âncoras. Se você tem 20 tarefas pela frente, realizar uma ou duas só te faz sentir mais impotente. Ao final delas, você ainda tem 18 ou 19 tarefas pela frente e a sensação de "não consegui fazer nada". 

Vou bater nesta tecla novamente: livre-se das pendências. Em negrito, itálico, com fonte grande e centralizado, pra ter mais impacto: 

Livre-se das pendências

 

A culpa de ter pendências é toda sua. Não do seu chefe. Não dos seus pais, seus filhos ou sua esposa. É das suas escolhas. Pode parecer cruel, mas é libertador viver assim. Pratique o mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa

Admitir que a culpa é sua por tudo que acontece na sua vida é mágico: destrava sua força de vontade. Quando você não tem mais em quem jogar a responsabilidade, só te resta sacudir a poeira e seguir em frente, com culpa e tudo. Vai lá, tenta!

 

E pra não dizer que te fiz pensar e te deixei na mão, terminei o texto sem nenhuma dica prática, aí vai: 

Prioridade não tem plural. Se você tem duas, tem nenhuma.

Defina UMA SÓ, e só pare quando conclui-la. Aí sim, defina a próxima e repita a operação.

Simples e difícil. 

 

 

Nota: pra quem quiser ler mais sobre a filosofia por trás deste tipo de pensamento, procure no Google por Sêneca, ou por estoicismo. Muita gente já escreveu sobre isso, inclusive alguns autores brasileiros, mas estas são minhas fontes favoritas.
Se quiser uma fonte "religiosa" sobre o assunto, mesmo discordando ou não sendo adepto ao espiritismo, eu recomendo a filosofia de Chico Xavier

Lembre-se de que você mesmo é o melhor secretário de sua tarefa, o mais eficiente propagandista de seus ideais, a mais clara demonstração de seus princípios, o mais alto padrão do ensino superior que seu espírito abraça e a mensagem viva das elevadas noções que você transmite aos outros. Não se esqueça, igualmente, de que o maior inimigo de suas realizações mais nobres, a completa ou incompleta negação do idealismo sublime que você apregoa, a nota discordante da sinfonia do bem que pretende executar, o arquiteto de suas aflições e o destruidor de suas oportunidades de elevação - é você mesmo. (Chico Xavier) 

Você sabe ouvir?

Mas já notou que essa habilidade, a de realmente ouvir é rara? 
As vezes é bom dizer que "as pessoas estão fazendo cada vez menos"... dá um ar de experiência, como se eu já conhecesse como era no passado e agora tenho o direito de julgar o presente - já notou isso? 
E eu realmente gostaria de dizer: "as pessoas estão ouvindo cada vez menos". Mas eu não acho que este seja o caso.

De verdade: eu não acredito que já tenha sido diferente (se você é mais velho que eu e tem provas do contrário, e que não seja puro saudosismo, me mostre, por favor).

Neste novo vídeo do canal, eu falo sobre isso com um exemplo bem cotidiano: você diz pra alguém "estou cansado" e é respondido com "eu também". E isso já deve ter acontecido com todo mundo. Não posso ser o único "diferentão" que percebe isso, né? 

E no vídeo eu parto para uma sugestão de solucionar este estorvo: vamos nos policiar, praticar a "audição", ter empatia e buscar ouvir o que alguém nos tem a dizer.

Pra começar, de forma bem simples, experimente este verbo tão difícil de se executar: O U V I R. 

(tô tentando e posso dar meu depoimento: é difícil!)