Pessoas de estimação

Do ponto de vista moral, seres humanos são falhos. Talvez, porque a moral seja justamente um ponto de vista unicamente humano. Mas, enfim... São falhos, defeituosos.

Assim sendo, é perigoso demais eleger alguns humanos como "pessoas de estimação". 

Sabe do que tô falando, né? Não é transformar uma pessoa num pet, seu besta. E sim, eleger uma pessoa como perfeita, como um modelo à prova de falhas. 

O caminho para a decepção, neste caso, é certeiro.  

Seres humanos tem momentos de brilhantismo, e estes devem ser admirados, sim! Mas é, no mínimo, "inteligente" lembrar que a mesma pessoa que pratica um ato brilhante pode ter seus lados obscuros. E vice-versa!

O lado obscuro não tira o mérito do ato brilhante.  

O ato brilhante não apaga as falhas.  

 

Admirar os atos de alguém é diferente de idolatra-lo.  Julgar alguém idiota não quer dizer que nada bom saia dele. 

Fala direito, menino!

Eu sou cheio deles: vícios de linguagem. 

E naquela velha tentativa de melhorar a vida, um pouquinho por dia, eu resolvi dar um pouco de atenção à forma como eu me comunico verbalmente. 

O resultado? Descobri que minha fala é BEM mais viciada do que eu pensava. E eu também me diverti, fazendo um vídeo de poucos minutos e cheios de "éééé". 

E você? Tá melhorando que área da sua vida, no momento? 

O x da questão (ou: o mundo tá difícil?)

image.jpg

acorde um pouco mais cedo
tome um banho um pouco mais frio
ligue pra um cliente a mais
escreva uma linha a mais
durma um pouco mais cedo
uma série a mais de agachamentos
cem metros a mais
pense um pouco mais
fique em silêncio, um segundo a mais
um capítulo a mais
um livro a mais
conheça-se um pouco mais
trabalhe uma hora a mais
deixe de fazer mais uma reclamação
enfrente um medo a mais
mais um beijo
mais um elogio
um minuto a mais
uma hora a mais
1% a mais
faça mais do que te faz bem
todos os dias

"não é o mundo que está duro.
é você que está mole"

Como "destravar" sua força de vontade

Nada como uma boa confissão, pra tentar livrar-se do peso de algo ruim guardado dentro de si. 

Eu cresci numa família católica. E uma das bases, aparentemente, de muitas vertentes do cristianismo é a confissão para remissão dos pecados. Pra quem não conhece o ritual do confiteor ("eu confesso", em latim), eu explico: 

Basicamente, trata-se de um momento de oração reflexiva. Ao invés de somente repetir uma reza tradicional, decorada, a igreja incute o fiel a meditar sobre seus próprios erros e falhas e, ao final disso, aí sim, repetir um texto tradicional que, em resumo, traz a culpa dos seus pecados para si mesmo. A expressão usada em latim, aliás, saiu da religião e hoje é usada pra várias coisas, e você já deve ter ouvido em algum lugar: "mea culpa". 

Não, não quer dizer MEIA culpa, como muitos usam por aí. "Fazer um mea culpa" é justamente admitir a culpa INTEIRA.

Aliás, na oração original, em latim, os fiéis batiam três vezes no peito, repetindo: 

mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa
(minha culpa, minha culpa, culpa toda minha) 

 

Segundo o cristianismo, somente o arrependimento pode trazer a evolução do espírito e a aproximação com a divindade. E para se arrepender, você precisa admitir que a culpa é sua, não é? 

Religião à parte, e por mais estranho que possa parecer àqueles que não seguem nenhuma religião (ou seguem outra diferente do catolicismo), essa prática do mea culpa pode te ajudar muito. E não se trata de nada religioso ou espiritual.

Trata-se de lógica, auto-conhecimento e, sobretudo, uma mudança positiva no modo de enfrentar o dia-a-dia. 

Pense comigo, fazendo um mea culpa: neste momento, na sua vida, dentro de tudo que te acontece, o que você tem, o que você sabe e tudo mais, o que NÃO é culpa inteiramente sua? 

Se a resposta for "nada é culpa minha", talvez você precise re-pensar. 

 
O homem superior atribui a culpa a si mesmo. O homem comum atribui aos outros. 
(Confúcio)

 

Hoje cedo, enquanto escrevia meu 'diário de 5 minutos', esta reflexão bateu forte. Eu pensava justamente sobre meus projetos, minhas falhas. 

Eu já admiti publicamente, no meu primeiro vídeo. Eu sou um procrastinador. Mea maxima culpa. 

O que me faz vencer isso, todos os dias, é simplesmente adotar alguns métodos, tentar driblar a mim mesmo e ao meu "piloto automático procrastinador", e simplesmente fazer as coisas. E mesmo assim, frequentemente eu acabo com algumas tarefas entulhadas, acumuladas. 

E por mais que seja gostoso e reconfortante jogar a culpa nos outros, pelo meu acúmulo de tarefas, a culpa é toda minha. 

Acumulo gera pendência, e pendência gera travamento. E o primeiro passo para seguir em frente é se livrar das pendências, que funcionam como âncoras. Se você tem 20 tarefas pela frente, realizar uma ou duas só te faz sentir mais impotente. Ao final delas, você ainda tem 18 ou 19 tarefas pela frente e a sensação de "não consegui fazer nada". 

Vou bater nesta tecla novamente: livre-se das pendências. Em negrito, itálico, com fonte grande e centralizado, pra ter mais impacto: 

Livre-se das pendências

 

A culpa de ter pendências é toda sua. Não do seu chefe. Não dos seus pais, seus filhos ou sua esposa. É das suas escolhas. Pode parecer cruel, mas é libertador viver assim. Pratique o mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa

Admitir que a culpa é sua por tudo que acontece na sua vida é mágico: destrava sua força de vontade. Quando você não tem mais em quem jogar a responsabilidade, só te resta sacudir a poeira e seguir em frente, com culpa e tudo. Vai lá, tenta!

 

E pra não dizer que te fiz pensar e te deixei na mão, terminei o texto sem nenhuma dica prática, aí vai: 

Prioridade não tem plural. Se você tem duas, tem nenhuma.

Defina UMA SÓ, e só pare quando conclui-la. Aí sim, defina a próxima e repita a operação.

Simples e difícil. 

 

 

Nota: pra quem quiser ler mais sobre a filosofia por trás deste tipo de pensamento, procure no Google por Sêneca, ou por estoicismo. Muita gente já escreveu sobre isso, inclusive alguns autores brasileiros, mas estas são minhas fontes favoritas.
Se quiser uma fonte "religiosa" sobre o assunto, mesmo discordando ou não sendo adepto ao espiritismo, eu recomendo a filosofia de Chico Xavier

Lembre-se de que você mesmo é o melhor secretário de sua tarefa, o mais eficiente propagandista de seus ideais, a mais clara demonstração de seus princípios, o mais alto padrão do ensino superior que seu espírito abraça e a mensagem viva das elevadas noções que você transmite aos outros. Não se esqueça, igualmente, de que o maior inimigo de suas realizações mais nobres, a completa ou incompleta negação do idealismo sublime que você apregoa, a nota discordante da sinfonia do bem que pretende executar, o arquiteto de suas aflições e o destruidor de suas oportunidades de elevação - é você mesmo. (Chico Xavier) 

Os velhos ditados

Com certeza você já os ouviu. "Mais vale um pássaro na mão, do que dois voando", "antes só do que mal acompanhado", "quem não é visto, não é lembrado" e por aí vai. 

Já ouviu? 

Parou pra pensar há quanto tempo eles existem? Seu avô já os repetia e, com certeza, ele já achava que essas frases existiam há muito tempo antes dele mesmo existir. São velhos ditados que continuam a existir e, vira e mexe, alguém os usa pra apontar algo como um "eu te falei" quando a gente comete algum erro. 

Mas tem um fato curioso sobre esses velhos ditados: quando você não está cometendo algum erro (ou quando ainda não percebeu que está) - eles não fazem muito sentido. Parecem "ditados de velho". Só quando a cagada acontece e dá um tapa de realidade é que se pensa: 

- Caraca, aquilo realmente faz sentido. 

Então, como exercício prático (na esperança de evitar futuras cagadas), começa a dar uma repensada nas suas decisões - passadas, presentes e futuras - sob a ótica dos velhos ditados. Se você lembrar de algum que se encaixa como um conselho pra você não tomar um decisão, pelo menos considere a possibilidade.

A possibilidade de que alguém já cometeu aquele erro antes de você, e criou o ditado. E que você não precisa cometer também pra dar razão a ele. 

 

Na tentativa de refrescar a memória, uma listinha de 30 ditados populares muito falados por aí (quem sabe assim eu decoro alguns, também). Achei rapidinho com uma busca no Google. 

1 - Amigos, amigos, negócios à parte
2 - Um olho no peixe, outro no gato
3 - Deus tem mais para dar do que o diabo para tirar
4 - O seguro morreu de velho
5 - O preguiçoso trabalha dobrado
6 - Quem não quer ser lobo não lhe vista a pele
7 - Em terra de cego quem tem um olho é rei
8 - Um dia da caça, outro do caçador
9 - Não adianta chorar o leite derramado
10 - Águas passadas não movem moinho
11 - O pior cego é aquele que não quer ver
12 - Apressado come cru
13 - Plantar verde para colher maduro
14 - Quem ri por último ri melhor
15 - Filhos criados, trabalho dobrado
16 - À noite, todos os gatos são pardos
17  - Depois da batalha aparecem os valentes
18 - Não adianta lamentar a morte da bezerra
19 - Deus ajuda quem cedo madruga
20 - Em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher
21 - Quem bate esquece; quem apanha, não
22 - A esperança é a última que morre
23 - De boas intenções o inferno está cheio
24 - Em casa de ferreiro o espeto é de pau
25 - Quando um não quer, dois não brigam
26 - Os últimos serão os primeiros
27 - Se ferradura trouxesse sorte, burro não puxava carroça
28 - Manda quem pode, obedece quem tem juízo
29 - Pau que nasce torto nunca se endireita
30 - O homem é senhor do que pensa e escravo do que fala

Você sabe ouvir?

Mas já notou que essa habilidade, a de realmente ouvir é rara? 
As vezes é bom dizer que "as pessoas estão fazendo cada vez menos"... dá um ar de experiência, como se eu já conhecesse como era no passado e agora tenho o direito de julgar o presente - já notou isso? 
E eu realmente gostaria de dizer: "as pessoas estão ouvindo cada vez menos". Mas eu não acho que este seja o caso.

De verdade: eu não acredito que já tenha sido diferente (se você é mais velho que eu e tem provas do contrário, e que não seja puro saudosismo, me mostre, por favor).

Neste novo vídeo do canal, eu falo sobre isso com um exemplo bem cotidiano: você diz pra alguém "estou cansado" e é respondido com "eu também". E isso já deve ter acontecido com todo mundo. Não posso ser o único "diferentão" que percebe isso, né? 

E no vídeo eu parto para uma sugestão de solucionar este estorvo: vamos nos policiar, praticar a "audição", ter empatia e buscar ouvir o que alguém nos tem a dizer.

Pra começar, de forma bem simples, experimente este verbo tão difícil de se executar: O U V I R. 

(tô tentando e posso dar meu depoimento: é difícil!) 

Seu coxinha!

Faça um teste rápido: olhe ao seu redor e procure uma janela. Agora tente se aproximar dela, mantendo-se o mais longe possível dela. 

Não deu? Pareceu um comando estúpido, não é? “Chegue perto, mas fique longe”. 

Esta é justamente a ordem que você dá ao seu cérebro quando pensa que quer ganhar mais, ficar rico e ter uma vida melhor, mas ao mesmo tempo olha com desdém para os que tem dinheiro, ou condena atitudes dos ricos (não estou falando de atitudes imorais ou anti-éticas, claro). 

Se é “ficar rico” o que você quer, acostume seu cérebro, sua vida e todos ao seu redor que “ser rico é bom”. Prometo mudanças na sua vida. 

 

É só uma questão de coerência. 

Escreva

Não importa se você é designer, engenheiro civil, mecânico, bombeiro ou developer: escreva.  

Aprenda a escrever.

Isso se faz -adivinha?- escrevendo. Só assim. 

Quem escreve bem, se expressa bem.
Quem se expressa bem, pensa bem. 

Quer começar? Um blog, uma conta no Twitter ou Tumblr, ou um caderninho já bastam. E alguns parágrafos por dia também bastam, pra começar.

Escreva. 

Estudando na metade do tempo (ou com o dobro de conteúdo)

Esta dica - de verdade - mudou minha vida. 

Se você, assim como eu, passa muitas horas por dia assistindo conteúdos em vídeo no Youtube e aprende muita coisa com o que tem lá, vai adorar isso. 

De fato, hoje em dia eu me sinto estranho quando assisto vídeos em um canal como o Vimeo ou o TED, que não têm este recurso. 

É simples que chega a doer: aumente a velocidade de reprodução dos vídeos! 

Hoje em dia eu consigo chegar na velocidade 2x na maioria dos vídeos, entendendo com perfeição e absorvendo bastante conteúdo - inclusive tomando notas. 

Segue o vídeo que eu fiz, sobre a técnica: 

Fora isso, depois de gravar o vídeo eu ainda descobri (com a ajuda do meu amigo Dirceu) que eu posso fazer o mesmo com podcasts (e eu sou um "viciado" nos podcasts do Tim Ferriss): usando o aplicativo Overcast (gratuito para iOS), eu tenho os recursos de diminuir as pausas entre as falas e reproduzir em velocidades superiores (ou inferiores).

Vale a pena experimentar: https://overcast.fm - principalmente pra ouvir o meu conteúdo de humor no Bodcast :) 


(Se você não tem iOS, pode ouvir os podcasts também pelo site do Overcast, basta ter o endereço dele no iTunes. Por exemplo, pra ouvir os Bodcasts em alta velocidade pelo seu navegador, o endereço é: https://overcast.fm/itunes994064636/bodcast)

Se alguém pode...

O fato de existir alguém que consiga é um excelente indicador de que você também consegue.  

O fato de não existir ninguém que consiga pode indicar que ninguém tentou o suficiente, ainda.  

Você não é pior do que ninguém, e ninguém deve nada a você. Pode ser cruel, mas é a verdade.  

Como estudar inglês usando séries de TV

Parece mentira, pegadinha ou venda de produto milagroso, mas não é. Eu desenvolvi muito com esta técnica muito simples, e tenho certeza que ela vai te ajudar também. Você tem DEZ MINUTOS por dia, e um aparelho de DVD/Blu-Ray ou computador que toque tais discos não tem? É só o que é preciso. 

Tudo o que você vai precisar é de um DVD de uma série da sua preferência. Eu recomendo FriendsTwo and a Half Men ou How I Met Your Mother, pela clareza de linguagem (se você tentar com House, por exemplo, vai perder mais tempo desvendando nomes de doenças ou remédios do que com inglês. Comece pelo simples). 

Outra vantagem de sitcoms como os que eu citei é que se passam com poucos personagens, sempre nos mesmos ambiente (uma casa ou bar) - o que facilita no seu entendimento. E os temas são do cotidiano. Você vai aprender frases e palavras que CERTAMENTE vai usar nas suas conversas em inglês. 

Sendo assim, simplifica. Pega um DVD ou BluRay de uma destas séries (ou de uma que você goste com as mesmas características) e começa. Séries baixadas da internet vão dificultar a sua vida, e eu já explico porquê. Aliás, não tem desculpas: INVISTA alguns reais e compre o disco. Considere seu material didático. E você não precisa de um box completo. Só de UM disco. 
Na última pesquisa que fiz, uma temporada em DVD de Friends no Submarino.com estava saindo por R$ 47,90 - muito menos do que qualquer livro de cursinho de inglês.

Pegou o DVD? Então vai lá, coloca no seu player ou computador e dá play em um episódio. Qualquer um. O primeiro mesmo. E agora você vai escolher um pedacinho de alguns segundos. Espere acontecer um diálogo, coisa de cinco a seis frases tá de bom tamanho. Marque este tempo, vai dar algo entre 5 a 30 segundos. 

DICA: a maioria dos aparelhos de DVD tem uma função (que ninguém usa) no controle remoto chamada A-B Repeat, A-B Loop, Loop AB ou algo parecido. Procura aí que você vai achar. Isso vai facilitar MUITO a sua vida. Aperta este botão pra marcar um ponto A, depois aperta ele de novo pra marcar um ponto B, e o aparelho fica repetindo este trechinho pra você, em loop. 

Depois de marcar o trecho que você vai usar, são só 3 passos: 

Passo UM: Configure para áudio em inglês e legendas em português. E assista este pedacinho de alguns segundos no mínimo TRÊS vezes (ou até você quase decorar o que eles estão falando). 

Friends-Legenda-PT.jpg

Passo DOIS: Troque a legenda para inglês, e assista mais TRÊS vezes (no mínimo). Você vai notar que já entende muitas palavras, por associação. Aquelas que você não entendeu, vai apertando o pause e procurando a tradução delas no dicionário ou no Google Tradutor. É MUITO IMPORTANTE você não deixar passar este passo de procurar no dicionário, ok? Assim você vai realmente aprender coisas NOVAS. Deixa de preguiça!! 

Passo TRÊS: A premiação. Desliga as legendas e assiste este mesmo pedacinho, mais três vezes, EM INGLÊS e o melhor, entendendo TUDO (ou grande parte). Se você não entendeu tudo, pode repetir os passos 1 e 2 - vai valer a pena. Se já entendeu, aproveita a última passada e vai repetindo em voz alta o que os atores falam, pra treinar também sua pronúncia. 

Pronto! Pode desligar a TV e ir fazer outra coisa.

O processo todo não costuma levar mais de DEZ MINUTOS. Isso incluindo o tempo de tirar o DVD da caixinha, sentar no sofá e tudo mais. É rápido, é simples e funciona! Aliás, funciona justamente porque é SIMPLES!  

Faz as contas comigo: se você conseguir assistir 30 segundos de uma série por dia, vai levar só 40 dias para assistir um episódio de 20 minutos inteiro, sem legendas! Eu conheço gente que faz cursinho de inglês há ANOS e ainda não consegue isso. 
Lógico, esta técnica não substitui um bom curso ou um bom professor de inglês. Ela AJUDA no processo. Você ainda vai precisar aprender regras gramaticais e ter uma base teórica... mas eu garanto: ESTE É UM BOM COMEÇO. E se você já estuda inglês, é um empurrão e tanto!

Eu fiz também um vídeo, explicando esta técnica e contando mais sobre ela: 

Se você gostou, está usando, ou já usou e teve resultados, comenta aqui em baixo (ou nos comentários do vídeo) pra gente saber como foi sua experiência.

Seus resultados podem motivar outros a tentarem também!

E se tiver alguma sugestão, deixa aqui abaixo que eu respondo rapidinho.

Abração!